terça-feira, 31 de dezembro de 2019

❄❄ Crítica | Frozen 2 ❄❄



O primeiro filme de Frozen ficou marcado na história cinematográfica e de toda cultura pop. E será lembrado por marcar toda uma geração com o dilema do amor verdadeiro, príncipe que de encantado não tinha nada, abraços quentinhos de olaf e a independência de duas irmãs da realeza que no fim provaram que não precisam de príncipes para governar com sabedoria o reino herdado e formarem um sólido núcleo familiar.



Desde criança a origem dos poderes de Elsa são desconhecidos tanto para ela como para seus pais. E a constante busca por respostas culminou no trágico acidente que matou o Rei e a Rainha de Arendelle, como foi narrado no primeiro filme.



Em " Frozen 2 " a questão sobre a origem dos poderes de Elsa retorna e o mistério por trás deles só aumenta quando uma voz enigmática passa a evocar constantemente Elsa, deixando-a inquieta e intrigada, principalmente quando Arendelle passa a ser afetada.



Agora, seis anos após o fatídico dia em que Elsa (Taryn Szpilman) e Anna (voz de Gabi Porto na versão brasileira)  ficaram órfãs, as irmãs juntamente com sua família partem em mais uma aventura na busca com o intuito de descobrir todo o segredo que ronda o passado de Arendelle e seus ancestrais.



De fato o caminho será tempestuoso, cheios de obstáculos e grandes revelações que solidificaram ainda mais essa unidade familiar.

O segundo filme está cheios de elementos que de certo agradaram toda família, pois além de contar uma grande variedade musical, também possui uma mensagem positiva sobre as mudanças climáticas, a preservação da natureza e seus espíritos ocultos, onde narra possíveis consequências caso ela não for respeitada pelos seres humanos.



E ainda traz personagens mais cativantes e divertidos que no primeiro filme, tais como o a rena Svem com sua voz interior, Kristoff (Raphael Rossatto) namorado apaixonado de Anna, , a protetora Elsa, a desafiadora Anna e o Olaf ( Fábio Porchart ) crescido e sua enigmática Samantha responsável por arrancar do espectador boas gargalhadas ao longo da história.



Frozen 2 já é um blockbuster capaz de competir com grandes produções Hollywoodianas e assim como o primeiro ficará marcado por sua mensagem positiva e seus divertidíssimos personagens.



Então meus caros cinéfilos preparem aquele mega combo de pipoca temático e bom divertimento, pois "Frozen 2" irá começar. Bom filme !

❄ Lembrete: Fiquem até o final, pois tem cena pós- crédito.

❄ Filme exibido no Festival do Rio 2019.


Ficha Técnica:

Data de lançamento: 02 de Janeiro de 2020 (Brasil)

Direção: Jennifer Lee e Chris Buck.

Roteiro: Jennifer Lee e Allison Schroeder.

Trilha sonora: Christophe Beck ( Compositor), Kristen Anderson-Lopez ( Compositora da música-tema) e Robert Lopez.

Produção: Peter Del Vecho ( Produtor) e
Jennifer Lee ( Produtora Executiva ).

Gênero: Drama/Fantasia.

Duração: 1h 43m.

Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟

Elenco  de dubladores ( EUA) : Kristen Bell (Anna ), Idina Menzel (Elsa), Josh Gad (Olaf), Jonathan Groff (Kristoff) entre outros.







Trailer:

quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Crítica | Minha Mãe é uma Peça 3


Em Minha Mãe é uma Peça 3 dona Hermínia (Paulo Gustavo) vai ter que se redescobrir, pois seus seus filhos agora já crescidos e consolidados profissionalmente resolveram que chegou o momento de formar sua própria unidade familiar.

Dona Hermínia terá que segurar a emoção para lidar com um novo cenário de vida: Marcelina (Mariana Xavier) está grávida de um quase desconhecido e Juliano (Rodrigo Pandolfo) inesperadamente anuncia que irá se casar.


Se antes essa supermãe já vivia ansiosa para ter seus filhos de volta ao seio materno e assim poder controlar o destino deles, ao receber essa fatídica notícia, essa necessidade de estar sempre no controle acaba por se tornar quase visceral.

Agora a matriarca encontra- se em uma sinuca de bico, já que cada um esta rumando para constituir seu lar e por consequência acabam por deixá-la um tanto de fora de suas vidas.



Isolada e se sentindo perdida, dona Hermínia tenta se reinventar e no processo acaba trilhando o seu rumo com muitas desventuras e destemperes, sem deixar de lado o seu humor ácido e provocativo que tanto arranca gargalhadas.



E para piorar ainda mais toda essa situação, Carlos Alberto (Herson Capri), seu ex-marido, que esteve sempre por perto, agora resolve ficar ainda mais próximo dela para seu total desespero.


A diversão é garantida ao espectador do início ao fim, tão logo que a mãe mais divertida do Brasil liga de uma só vez todo o drama acumulado e ao mesmo tempo passa a só se meter em diversas confusões.



A personagem inspirada na mãe de Paulo gustavo, Déa Lúcia, já levou quase 10 milhões de pessoas aos cinemas nos dois primeiros filmes. 

E para dar uma pitada diferente e uma certa repaginada no cotiano de Dona Hermínia ele se inspirou mais uma vez em sua própria família, que também está em fase de crescimento.



Tão logo que Paulo Gustavo e seu marido Thales Breta são pais dos gêmeos, Romeu e Gael, gerados por meio de uma barriga de aluguel. 



Em recente entrevista Paulo Gustavo afirmou que "Esse é o meu filme mais autobiográfico e mais político. Eu quis falar do meu pai (Carlos Alberto )que foi morar na frente da casa da minha mãe, do meu casamento, da minha paternidade”, afirma o humorista, que tirou proveito desses novos acontecimentos em sua vida real para dar gás a novas piadas.


Ficha Técnica:

Diretor: Susana Garcia
Distribuidora: Paris Filmes
Produção: Iafa Blitz
Classificação: 12 Anos
Gênero: Comedia
Duração: 111 min
Nota: 🌟🌟🌟🌟🌟

Elenco: Paulo Gustavo, Mariana Xavier, Rodrigo Pandolfo, Herson Capri, Samantha Schmutz, Alexandre Richter, Patricya Travassos, Malu Valle, Stella Maria Rodrigues, Lucas Cordeiro, Cadu Fávero e Bruno Bebianno


Trailer:

Perfil da autora Luísa Aranha

Resultado de imagem para Luísa AranhaSobre a autora 


Luísa Aranha, 36 anos, natural de Porto Alegre/RS, atualmente reside em Manaus. É jornalista, blogueira e escritora. Gosta de transformar sentimentos em palavras, com ironia e bom humor, para falar do cotidiano, de amor ou qualquer assunto da vida, como se estivesse conversando com o leitor.
É casada com um militar o que faz com que se mude constantemente. Tem dois filhos, uma na faculdade e o outro no maternal. Em 2009 criou o blog Causos & Prosas Onde todos os seus pensamentos e os acontecimentos do dia a dia viravam histórias e textos. 
Ainda em 2009 começou a participar de alguns concursos literários tendo textos publicados nas antologias Festa Surpresa e Balões Coloridos. Também conquistou o terceiro lugar no concurso Ventos do Sul. 
Em 2010 publicou seu primeiro romance “Amar só se ama uma vez...”pelo clube de autores.
 
Em 2011, como trabalho de conclusão de curso, escreveu o e-book multimídia “Debaixo desta Terra Vermelha - As histórias dos túneis subterrâneos de São Borja, que lhe rendeu a nota 10 com louvor.
Com a formatura e as constantes mudanças a literatura e o blog ficaram um pouco de lado, sendo retomados apenas em 2016, depois de um quase infarto por stress no trabalho. 
Uma das primeiras iniciativas em julho de 2016 foi a criação da fanpage, que em menos de 3 meses alcançou mais de 35 mil curtidas e vem crescendo cada vez mais. Tendo um alcance de 300 mil pessoas e envolvimento em publicações que alcança a casa dos 10k.
 
Em 2016 também publicou de forma independente a coletânea de contos e crônicas Noites de Verão e o chicklit Sexo Virtual Amor Real com mais de 500 downloads pela Amazon.  E foi finalista do concurso Pérolas da Literatura com o conto, ainda inédito, As aventuras do Comandante Pedro.

》● Resenha | Minha Ruína - Livro 1 da série Selvagens na Máfia ●《




Esqueça tudo que você sabe sobre a Máfia e venha decobrir o que os filmes, livros e séries não foram capazes de mostrar.

Minha Ruína é o mais novo lançamento da parceria entre as autoras Mari Monni e Luisa Aranha sobre o multi verso da máfia italiana e o submundo que envolve a sagrada família.

o livro somos apresentados aos Rossi, uma respeitada e tradicional família italiana que segue todos os costumes que foram passados durante gerações e que possui um único código, a palavra de seus membros leais é a lei e deve ser mantida custe o que custar.

Em meio a segredos, traições e intrigas somos apresentados aos irmãos Wilder, Sage o mais velho, impulsivo e explosivo dos três, Coal o mais controlado e analítico, e o caçula Jett.

A vida dos Wilder nunca foi um mar de rosas e após uma tragédia em sua família os trigêmeos ficaram ainda mais unidos, apesar de toda diferença e personalidades existente são eles contra o mundo do início ao fim.

Até o fatídico dia que descobrem que não estão tão sozinhos como pensavam e que além de ganharem um pai do dia para noite, ele vem com um bônus inesperado, toda uma " família " de mafiosos italianos que honram o nome que carregam acima de tudo.

De maneira abrupta os Wilder são apresentados à Don Marco, o patriarca e chefe absoluto da respeitada família italiana e que além do título de soberano é também o pai que desconheciam existir.

A inesperada notícia vem carregada por muita história, hierarquia, tradições, uma imensa família, uma nonna e de quebra uma noiva.

Inicialmente a novidade não agrada tanto como era de se esperar, porém quando o destino já esta traçado dessa maneira, só lhes resta se resignar, adaptar e tirar o máximo proveito de toda situação.

Do outro lado somos apresentados a dócil Mia Messina, a típica noiva italiana prometida desde o nascimento ao herdeiro dos Rossi. Mas não se enganem com a doce e inocente menina, pois ela é muito mais astuta do que aparenta ser e busca muito mais do que segurança e estabilidade que só o casamento na " família "é capaz de trazer.

O livro possui também várias cenas calientes que fará você  desejar um Wilder só seu, especialmente se for um certo Sage entre quatro paredes ou quem sabe em um carro.

Minha Ruína revela-se com uma narrativa empolgante com muita ação, profundidade, e paradigmas que somente uma história sobre os mais profundos confins da máfia poderia ser capaz. 

Uma história diferente e única em que não existe mocinhos ou vilões, uma verdadeira díade que vai muito além que um conto sobre criminosos, estigmas e estereótipos, já que a família esta acima de qualquer negócio que possa existir. 

Ficha técnica:

📌Autoras: Mari Monni e Luísa Aranha
📌Avaliação: 🌟🌟🌟🌟🌟 | cinco estrelas
📌Capa: @will.capas
📌Página: 452
📌 Formato: e-book
📌Série: Selvagens na Máfia
📌 Livro 1 

🗃 Minha Ruína já esta disponível na amazon no link - https://amzn.to/2P07zHN
🗡🚬💰📚⚰🗃⛓🔥

sexta-feira, 29 de novembro de 2019

Crítica | Asako I & II 


A primeira paixão de Asako (Erika Karata) ocorre à primeira vista em meio a um exposição, onde ela descobre Baku (Masahiro Higashide) por um mero acaso e sabe a partir daquele momento que quer ficar com ele pelo resto da vida.

Mesmo com personalidades completamente diferentes, ela tímida e romântica e ele rebelde com tendências violentas, eles formam um casal indissociável. Apesar de na realidade se conhecerem a pouco tempo e não com tanta profundidade . Isso até o fatídico dia em que Baku desaparece sem deixar rastros e deixa uma Asako destroçada e afundada na tristeza.


sexta-feira, 22 de novembro de 2019

Crítica | Um dia de Chuva em Nova York



'Um Dia de Chuva em Nova York', a mais nova aposta de Woody Allen que estreou nessa quinta ( 21), e que possui como pano de fundo o seu cenário preferido, desde o início vem enfrentando um grande problema. 

De maneira que o diretor foi acusado de abuso por parte de sua filha adotiva e devido a isso teve todos os seus trabalho e estreias juntamente a Amazon studios prejudicados. Apesar de tal fato até o momento encontrar-se sem uma resolução, o caso lhe rendeu um ano vazio e sem estreias em 2018 e foi lembrado por não acorrer desde 1981.




quinta-feira, 21 de novembro de 2019

Crítica | Midway - Batalha em Alto Mar



Midway - Batalha em Alto Mar conta com direção de Roland Emmerich e roteiro de Wes Tookee, e narra a trajetória dos militares americanos e japoneses na intensa tentativa de vencer a batalha aeroespacial no Pacífico.

O longa é baseado em fatos verídicos travados em junho de 1942 no Oceano Pacífico entre as forças dos Estados Unidos e do Império do Japão durante a Segunda Guerra Mundial. Apenas seis meses depois do ataque japonês a Pearl Harbor e que marcou o início da Guerra do Pacífico entre as duas forças.



O resultado da batalha foi uma decisiva e crucial vitória para os norte-americanos, lembrada na história como o mais importante confronto naval da Segunda Guerra, marcando dessa maneira o ponto de virada no conflito e causando aos japoneses a perda de quatro porta-aviões e dois cruzadores de sua frota, além de duzentos pilotos navais. 

Todo o plano japonês foi executado  na esperança de acabar com as incursões americanas, mas que no fim resultou em uma tentativa frustrada de invadir e ocupar o atol de Midway ( local de instalação de uma base militar americana), enfraquecendo permanentemente a capacidade japonesa de combate no mar e no ar, culminando em sua retirada militar pelo resto da guerra.





De certo Midway é por si só uma grande homenagem aos bravos sodados de ambos os lados que lutaram com coragem, força e que por vezes pereceram no caminho na busca por defender sua amada pátria.

E esse relato de amizade e sacríficio admirável é relatado com maestria em cenas aéreas e marítimas de tirar o fôlego,e também um figurino e ambientação impecáveis. 




Apesar de não se aprofundar nos personagens e não explorar adequadamente as personagens femininas que mal e porcamente aparecem em certas cenas. Midway no amplo aspecto de efeitos visuais e fotografia me agradou muitíssimo, pois foi implacavelmente bem construído e até poderá vir a concorrer a alguns prêmios nesse quisito.

Além disso, é um filme que exalta patriotismo e no geral esta agradando os espectadores norte-amreicanos já que vem encabeçando a lista de bilheteria.



O roteiro de Wes Tooke poderia ter sim se aprofundado em certos momentos, mas nesse quesito entendo que em um filme que espera relatar cada momento importante da guerra não teria tanto espaço para retratar e se prolongar ainda mais nas histórias, já que poderia vir a torná-la cansativa e até pouco atrativa.

Então meus caros cinéfilos lhes dou essa dica de estreia e espero aue fiquem satisfeitos com o resultado final, tanto quanto a minha pessoa ficou. Bom filme!! 

Ficha técnica:

Data de lançamento: 21 de novembro de 2019 (Brasil)

Direção: Roland Emmerich

Roterista: Wes Tooke

Orçamento: 59,5 milhões USD

Música composta por: Harald Kloser, Thomas Wander

Produção: Roland Emmerich, Harald Kloser

Classificação: 14  anos (Brazil)

Gênero: Drama/Ação

Duração: 2h 18m

Nota: 🌟🌟🌟🌟

Elenco: Ed Skrein, Woody Harrelson, Luke Evans, Dennis Quaid, Patrick Wilson , Aaron Eckhart, Nick Jonas entre outros.

Trailer:

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Crítica | Medo Profundo – O Segundo Ataque (47 Meters Down: Uncaged)


Medo Profundo – O Segundo Ataque’ segue a aventura de quatro adolescentes (Corinne Foxx, Sistine Stallone, Sophie Nélisse e Brianne Tju) que durante um passeio por uma ilha mexicana resolvem de súbito mergulhar e explorar uma cidade maia submersa.

De certo para adolescentes com pouca experiência em mergulho por si só já é uma jogada bastante arriscada, pois cavernas submersas podem ser traiçoeiras e até mesmo mergulhadores experientes sucumbiram ou se perderam em algum momento.

sábado, 9 de novembro de 2019

Crítica: Doutor Sono




Doutor Sono, é a tão esperada continuação de O Iluminado, de 1980. Ambos são obras baseadas nos livros do mestre do mestre do terror e suspense Stephen King.  Essa sequência do filme de Stanley Kubrick conseguiu algo inédito em que muitos longas  até o momento falharam, finalmente “Doutor Sono" foi o filme adaptado que conseguiu agradar King.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

Crítica: Exterminador do Futuro - Destino Sombrio



Nessa sexta desventura da saga quase que eterna da franquia O Exterminador do Futuro quase que a vingança da volta dos que não foram, o ator Arnold Schwarzenegger volta para interpretar o seu icônico personagem o androide T-800, enquanto que a Atriz  Linda Hamilton finalmente retorna para interpretar a destemida Sarah Connor – a mãe do líder da revolução. 

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Crítica: A Maratona de Brittany



Brittany (Jillian Bell) vive algum tempo na cidade que nunca dorme ( Nova York) e leva uma vida desregrada, regada a muita bebida, drogas e excesso de comida.

segunda-feira, 28 de outubro de 2019

Crítica: Downton Abbey



Downton Abbey - o filme,  foi baseado na série homônia  e inicia sua jornada na tão  gloriosa propriedade da zona rural da Inglaterra, logo no início do século XX.

quinta-feira, 17 de outubro de 2019

Crítica: Ela disse, Ele disse


Resultado de imagem para filme ela disse ele disse elenco


Queridinha dos adolescentes e também doa mais crescidinhos que acompanham a sua carreira desde o seu início na Bienal do livro do Rio, Thalita Rebouças é autora de mais de 20 livros e tem dentre esses títulos vários campeões de vendas. E devido a esse grandioso sucesso várias de suas obras já foram adaptadas para as telonas.

Crítica: Malévola - Dona do Mal




"Malévola: Dona do Mal", uma sequência do sucesso de bilheteria global de 2014 da Walt Disney Studios, chega aos cinemas com a meta de superar o primeiro filme e alavancar ainda mais a história para quem sabe uma possível construção de franquia.

quinta-feira, 3 de outubro de 2019

Crítica: Coringa

Imagem relacionada


Coringa/Joker  é dirigido por Todd Phillips e possui um grupo consagrado em seu elenco que inclui    Joaquin Phoenix ( Arthur Fleck), Robert De Niro, Zazie Beetz, Frances Conroy entre outros.

Crítica: Hebe - A Estrela do Brasil

Resultado de imagem para hebe

Hebe é um filme cinebibliográfico que narra uma parte da vida da nossa estrela da televisão brasileira, onde  retrata os momentos mais marcantes tanto no campo profissional como no pessoal que envolve alguns momentos do seu primeiro casamento que resultou em um filho único Marcelo, seu grande e verdadeiro amor, e outros detalhes do seu segundo casamento com um homem extremamente ciumento e instável emocionalmente.

/>