quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Resenha: A Garota do Calendário - Janeiro


"A questão não é o destino. É a viagem que conta."


Mia Saunders precisa de uma quantidade gigantesca de dinheiro para saldar uma dívida de seu pai e impedir que o matem por conta disso. Juntar um milhão de dólares em apenas um ano é caso quase perdido. Seu pai levou uma surra memorável e está na UTI, sua irmã caçula está na faculdade e precisa de ajuda com as despesas. Desesperada, Mia aceita um emprego na empresa de acompanhantes de luxo da tia, para assim juntar o dinheiro que necessita. Além da tia, ela só pode contar com sua melhor amiga de todas as horas. Seu trabalho requer que ela seja acompanhante de doze homens, um pra cada mês desse ano de trabalho e cada encontro desse vale cem mil dólares. Além de bônus por fora que ela pode levar, já que sexo não está no contrato.

"Mesmo vestida como uma Barbie, interpretando o papel de uma acompanhante-troféu, eu ainda sou Mia Saunders. A garota que criou a irmã desde que ela tinha cinco anos, que cuidou de si mesma e que iria salvar a vida do pai...mais uma vez. E eu esperava que fosse a última."

A Garota do Calendário - Janeiro conta a primeira experiência de Mia como acompanhante e ela começa o trabalho com Weston Charles Channing III. Wes é um roteirista conceituado, rico, lindo, maravilhoso e surfista. Eles acabam tendo uma ligação muito forte e se envolvem de todos os modos. 

"Contos de fadas não existem, especialmente para garotas de Las Vegas com um caminhão na bagagem."

O que gostei nesse livro é o fato de Mia ser uma protagonista forte, que sabe o que quer e não rodeia. Sua personalidade despreocupada é marcante, não deixando a personagem chata. Mia cuida da família e por isso acaba se doando por completo, saindo de seu próprio caminho, mas não se perdendo completamente. Ela encara esse novo desafio como uma forma de reaprender a vida, se aprimorar, se soltar ainda mais como mulher. Destemida, sem papas na língua, carismática e extremamente direta, ela encara tudo com bom humor, não deixando espaço para reclamações e lamúria. Apesar de só ter tido experiências amorosas desastrosas, ela não se abate por isso. Em vez disso, ela desfruta tudo, as roupas novas, os sapatos caros, o sexo. Tudo. Já Wes faz o estilo de homem que a mulherada curte com toques de fofura e romance que o deixa irresistível. Me vi afeiçoada a ele e já sentirei sua falta. 



O proposta do livro é simples: sexualidade, diversão e homens sexys até dizer chega. Como é bem superficial e clichê, ele serve basicamente para nos tirar do tédio e apimentar nossa vida com as inúmeras cenas de sexo (que me fizeram rir, diga-se de passagem). Uma leitura rápida, simples e que não exige muito de nossas mentes. Ele cumpre bem seu papel. Se você procura um livro complexo e profundo, A Garota do Calendário não se encaixa no que deseja. Mas se você quer algo simplesmente para passar o tempo (como eu queria), fique à vontade e se junte a mim nos suspiros pelo Wes.



A Garota do Calendário é uma série de Audrey Carlan e conta com doze livros, um para cada mês do ano. Só posso dizer que estou curiosa para saber como a história se desenrola.


Sobre o livro
Titulo original: Calendar Girl - January
Autor: Audrey Carlan
Editora: Verus
Ano: 2016
Páginas: 144

Faixa etária: +18


/>