segunda-feira, 19 de novembro de 2018

Crítica : Fúria em Alto Mar




Oi pessoal, tudo certinho?

   Hoje escreverei sobre o filme Fúria em Alto Mar do diretor Donovan Marsh com produção e atuação de Gerard Butler e roteiro de Jamie Moss e Arne L. Schmidt.

  Logo, no início somos apresentados a Joe Glass (  Gerard Butler ) um talentoso e experiente capitão de um submarino norte-americano que recebe uma importante missão de seus superiores: ele precisará localizar outra equipe e ainda descobrir quais eventos culminaram em seu desaparecimento. 

  Assim,  uma simples missão de reconhecimento se transforma em um inesperado embate contra o exército Russo e seu estimado general, e a equipe de Glass terá que se unir aos fuzileiros navais em uma missão quase impossível para salvar não somente os EUA, mas também a população russa.







     Gerard Butler é aquele tipo de ator que topa participar de filmes diferentes e que explore o seu potencial máximo, como ocorreu no incrível musical Os Miseráveis em que fez parte do elenco e provou o seu talento com uma ótima atuação.

    Apesar de sua série de atuações em longas-metragens genéricos de todos os gêneros — como o drama Um Homem de Família, a ação Invasão a Londres e a fantasia Deuses do Egito — o escocês agora estrela um thriller militar de ação que mesmo trazendo alguns comentários políticos inconsistentes possui vários atrativos para o público que goste de um bom combate.



  O cenário e o contexto em que o público é apresentado com um embate pós Guerra Fria e as posições invertidas do governo russo e americano pode até ser fora de contexto e possuir uma boa pitada de ficção, mas traz um acalento de que quem sabe todos os governantes possam a vir futuramente estabelecer um acordo de paz entre eles.


O roteiro de Jamie Moss e Arne Schmidt é baseado no romance Firing Point, porém não se mostrou tão contundente para os moldes de  2018. 

   De fato que no se pode negar que todo o realismo e vivência abordo de um submarino é transmitida com sucesso  graças a um cenário eficiente e também a  colaboração entre a produção do filme e a Marinha dos Estados Unidos.

   Enfim, o longa teve alguns pontos positivos e outros negativos, mas que de certa maneira não afetará tão significativamente para o grande público.  

   Então pessoal  deixo-lhes essa dica e não esqueçam de preparar aquele super combo de pipoca especial. Segurem os cintos,  pois vocês irão embarcar no intenso universo dos submarinos. Bom Filme !


Ficha Técnica: 


Data de lançamento: 26 de outubro de 2018 (EUA)
Direção: Donovan Marsh
Música composta por: Trevor Morris
Produção: Gerard Butler, Neal H. Moritz, Alan Siegel, Tucker Tooley, Mark Gill, Toby Jaffe
Roteiro: Jamie Moss, Arne L. Schmidt
Classificação: 14 anos
Gênero: Suspense/Ação
Duração: 2h 3m
Nota: 3.0

Elenco:




Trailer:


quinta-feira, 4 de outubro de 2018

Crítica: PéPequeno

 photo pe_pequeno_zpsicpeqt6b.jpg

Para você que tem aquela criança especial em sua vida, seja filho, sobrinho, irmão, primo, whatever, chegou a hora de levar o pimpolho no cinema e deixá-lo se divertir bastante, e acredite que vai ser divertido para ti também.

PéPequeno é baseado no livro Yeti Tracks, escrito por Sergio Pablos e o filme narra a história de um vilarejo de Yetis que vive isolada do mundo, suas leis estão escritas em pedras e o povo acredita que só eles existem. Tudo desanda quando Migo encontra um ser humano.Porém os outros yetis não acreditam nele e Migo acaba sendo expulso da vida, mas com a ajuda de alguns amigos ele vai atrás da prova que o inocentará perante todos do vilarejo.

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

Crítica: Um Pequeno Favor (A Simple Favor)

 photo A-SIMPLE-FAVOR-CAPA_zpsvwcqdr9x.jpg

"Got a secret can you keep it?
Swear this one you'll save
Better lock it, in your pocket
Taking this one to the grave
If I show you then I know you
Won't tell what I said
'Cause two can keep a secret
If one of them is dead?"

terça-feira, 2 de outubro de 2018

Clube Indica: Bleach (Live Action)

 photo Imagem-promocional-de-Bleach-Live-Action-2_zpsmkrmtewd.jpg


Depois das  live actions de Death Note (que foi um fiasco) e de Fullmetal Achmist (que é bem legal, recomendo), a Netflix lançou Bleach, e, posso dizer com toda a certeza que é um dos melhores live actions que já vi na vida.

Kurosaki Ichigo é um garoto aparentemente normal, mas, ele possui o dom de ver e conversar com fantasmas. Por conta desse dom, sua vida muda drasticamente quando uma garota chamada Kuchiki Rukia aparece em sua vida. Acontece que ela é uma Shinigami (ceifadora de almas) e veio do mundo Soul Society (mundo dos espíritos). Por causa de seu trabalho caçando um Hollow (uma espécie sinistra de espírito), os dois se conhecem e precisam lutar juntos contra a tal ameaça. Nesse processo, Ichigo se torna um Shinigami e a história se desenrola a partir daí.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Clube Indica: Sierra Burgess é uma Loser

 photo sierra-burgess-novo-romance-adolescente-da-netflix_zps605jkp8o.jpg

Em meio aos filmes adolescentes e bobinhos que a Netflix tem lançado -como Para Todos os Garotos que Já Amei, A Barraca do Beijo e DUFF- há a nova produção intitulada Sierra Burgess é uma Loser. Se você espera algo que siga o mesmo nível dos filmes citados acima, sinto te decepcionar.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Clube Indica: Para Todos os Garotos Que Já Amei

A nova aposta da Netflix, baseada no livro homônimo de Jenny Han parecia ser apenas mais uma comédia romântica "adolescente", mas se torna algo incrivelmente cativante ao longo do caminho.

 photo ACCE9BF6-FF74-44F0-B871-97DB90AEBB6B_zps3tfcfam8.png

Lara Jean é uma menina tímida, "invisível" e que vive no mundo da fantasia. Está sempre lendo seus livros de romance e não tem coragem suficiente para tentar algo na vida real. Por ser extremamente romântica, ao longo dos anos ela escreve cartas para os garotos por quem se apaixonou, mas não entrega nenhuma. Em um belo dia, essas cartas vão parar nas mãos de seus respectivos donos e é quando toda a confusão começa. Em meio a esse rolo todo, ela se vê num relacionamento de mentira com Peter Kavinsky, o clássico garoto popular do colégio. Mas quem disse que uma mentira daria certo até o final?

domingo, 16 de setembro de 2018

Resenha: A fênix de Fabergé




Respeitável público hoje apresento para todos vocês exímios apreciadores da sétima arte: um livro  único, sensacional e espetacular  A fênix de Fabergé das autoras nacionais Sue Hecker e Cassandra Gia e o lançamento do mês de Agosto da nossa editora parceira Harlequin.

Uma salva de palmas para esse extraordinário show e  não esqueçam de se segurarem em suas poltronas, pois estão prestes a  embarcar em uma legitima imersão à cultura russa e a grandiosa arte circense. 

Antes de mais nada tenho a obrigação de destacar a maravilhosa arte da capa e também o verso dela que remete diretamente a temática abordada ao longo da história.

Como muitos eu também na minha infância fui fascinada pelos circos variados que se apresentavam em diferentes locais do RJ e fazia questão de ir nas apresentações para vivenciar toda a magia que cercava as suas apresentações.

Assim, logo quando percebi que o lançamento da Sue e da Cassandra abordava esse universo,  me encantei e fui arrebatada imediatamente por sua trupe.

/>